quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

A fuga de Peniche no centenário de Alvaro Cunhal

Eram dez. As penas de prisão cumpridas por eles nos cárceres de Peniche já somavam setenta anos.

Com o rodar do tempo, um deles, Álvaro Cunhal, ganharia prestígio mundial.

Todos eram comunistas e seis membros do Comité Central do PCP.

Fuga coletiva como aquela não registram os arquivos de qualquer polícia politica.

O acontecimento foi agora recordado no local, a encerrar as comemorações do centenário de Álvaro Cunhal.

O presidio, instalado numa fortaleza do século XVI, de altas muralhas, que descem a pique sobre o mar, com exceção da voltada para Peniche, era considerado de alta segurança.

Mas o impossível aparente ocorreu. Eles evadiram-se. Foi a 3 de janeiro de 1960,num domingo, dia de vigilância atenuada. Planejaram tudo com minucias. Obtida a cumplicidade de um soldado da Guarda Republicana e fabricado um cordão de lençóis para descida da muralha, o programa foi cumprido com rigor. Os Dez saíram do refeitório lentamente, após o jantar em que pouco se falou. Fora da sala, o guarda de serviço foi anestesiado com uma toalha embebida em clorofórmio.

Depois foi a corrida na escuridão para a muralha, a fixação do lençol-corda e a descida para o terreiro, e vencido um murete, eram aguardados por automóveis conduzidos por camaradas de confiança.

Era urgente chegar aos pontos de apoio previstos antes que soasse o alarme após o render da guarda. A falha mais importante do plano fora a impossibilidade do corte da rede telefônica da fortaleza.

Os postos de controlo da polícia de trânsito na estrada foram evitados com êxito. Os Dez chegaram horas depois às diferentes casas de apoio onde deviam pernoitar.

Transcorridos 53 anos, foi essa prodigiosa evasão que o PCP e a cidade de Peniche – atualmente governada por comunistas – comemoraram.

Um grupo de teatro encenou o jantar que precedeu a fuga e outro, de espeleólogos, executou, numa atmosfera de emoção a descida da muralha pelo cordão de lençóis.

Os arquivos do Partido revelam que nos meses seguintes se preparou o Congresso que elegeu Álvaro Cunhal seu secretario geral. Foi decisiva a sua participação na crítica ao desvio de direita [1] da organização, voltando a colocar a classe operária e o levantamento nacional no centro da luta politica pelo derrubamento do fascismo.

O combate à tese da "desagregação irreversível do fascismo" levou à elaboração de uma estratégia ofensiva condensada nas teses do Rumo à Vitória, o Relatório aprovado pelo VI Congresso em 1964, realizado com êxito na clandestinidade.

A intervenção de Álvaro Cunhal após a Revolução de Abril de 1974, que pôs fim a quase meio século da mais longa ditadura fascista da História, é bem conhecida.

À medida que o tempo passa, não há critica ou calunia dos que o combateram que possa ocultar a realidade: ele foi o maior português do Século XX, uma daquelas personalidades excecionais que deixam marcas inapagáveis na História da Humanidade.

Revolucionário, pensador, ideólogo, conhecedor profundo do marxismo e do leninismo, homem de estado, escritor, artista plástico, soube imprimir ao seu partido, o PCP, um rumo e um estilo inconfundíveis que o tornaram mundialmente respeitado.

A ligação entre ele e o seu povo era tão profunda e comovente que 250 mil pessoas participaram no seu funeral, em junho de 2005, o mais grandioso da história de Portugal.

Álvaro Cunhal tinha consciência de que os dirigentes não são insubstituíveis porque quem faz a História é sempre o povo, como sujeito das grandes mudanças.

Isso não impede que os comunistas portugueses, neste tempo de contra revolução, de servilismo perante o imperialismo, de barbárie capitalista, sintam a sua falta como timoneiro do Partido. As comemorações do seu centenário tornaram transparente essa evidência.

Peniche, 4 de Janeiro de 2014

Sem comentários: